Essa equipe é muito unida…

22 de setembro de 2019



Neste time, quando preciso, se joga em mais de uma posição

Aniversário de 15 anos é o pretexto ideal para apresentar a equipe do Vegan Vegan.

Os laços de alguns tiveram início bem antes da criação do Vegan Vegan. É o caso de Marcelo e Rubinho: os dois são amigos de infância e começaram ainda adolescentes a trabalhar no ramo da gastronomia. Em comum, todos trazem o orgulho pelo que entregam.

A seguir, os perfil de cada um.

EVANDRO

Quem pediu o delivery do Vegan Vegan já o conhece. Evandro está no Vegan Vegan desde a inauguração. Isso significa que ele já fez, em sua moto, em torno de 100 mil entregas entre pratos (quentes e congelados), porções, salgados e sobremesas.

Evandro sempre trabalhou em restaurantes. Antes como garçom, até descobrir sua verdadeira vocação. “Na moto, você tem mais liberdade”, resume.

Quando as entregas terminam, o “Motoca”, como é também conhecido, começa seu segundo expediente, para um aplicativo de entrega de comida.

Cearense de Reriutaba (fica perto de Sobral), ele levou a sério o ensinamento bíblico “crescei e multiplicai-vos”: é pai de 10 filhos (o mais velho tem 32, o mais novo, 17).

Morador de São Cristovão, ocupa seu tempo livre passeando com a esposa e a família pelo bairro ou indo ao shopping.

Sobremesa preferida no Vegan Vegan: sorvete de gengibre.

BETH

No Vegan Vegan, todos aprendem a fazer um pouco de cada função. A Beth é prova disso. Ela começou há 4 anos na cozinha cuidando das sobremesas e saladas. Dois anos depois, passou para o caixa. “Gosto de trabalhar com o público”, diz. Por causa dessa proximidade, acabou desenvolvendo amizade com muitos clientes. Com alguns, conversa bastante por Whats App. Este ano, uma das clientes mais assíduas do Vegan Vegan – Dona Darci – pegou Beth de surpresa: ligou de outra cidade só para parabenizá-la pelo aniversário. O gesto a emocionou.

Mãe de 5 filhos – David (33), Lucas (23), as gêmeas Júlia e Juliana (20) e Luan (19) -, Beth trabalhou antes em dois lugares: na rede C&A e no restaurante Cachambeer, onde começou na cozinha e terminou na gerência.

Nascida em Natal (RN), está no Rio desde os 5 anos. Seu programa favorito é sair com a família, ir à “sua” Igreja e ficar com os netos. “Me ajudam a recarregar a bateria”.

Sobremesa preferida: sorvete de gengibre.

GILSON

Gilson é o “filho pródigo”. Após trabalhar 7 anos no Vegan Vegan e ficar fora outros 7, voltou em julho à gerência. Perguntado sobre o que o fez voltar, não hesita na resposta: a comida, a clientela e a equipe. “Temos uma clientela seleta, e a comida é muito boa, e olha que não sou vegetariano”. Paraibano de Santa Luzia, veio jovem para o Rio, formou-se em Direito e trabalhou muitos anos em instituições financeiras.

.

Católico praticante, o pai da Juliana (19) está solteiro.

Sobremesa preferida: sorvete de gengibre.

NILMA

Ela não é de aparecer muito. Até porque, fica na retaguarda da cozinha. Mas sua dedicação no preparo das sobremesas e higienização das saladas garante que a mágica aconteça. Sua arte também está presente em pratos como a sopa, o feijão e o arroz integral.

Flamenguista (“doente”, completa) e torcedora da escola de samba Beija-flor, Nilma trabalhou mais de 20 anos em casa de família, de onde saiu em busca de um emprego “mais seguro”. Virou pizzaiola e depois costureira em uma fábrica de roupas fitness.

Em 2013, uma sobrinha que trabalhava no Vegan Vegan a indicou para uma vaga de auxiliar de cozinha. Veio fazer uma experiência e não saiu mais.

Mãe do Pedro Henrique (23) e do casal de gêmeos Martha e Matheus (19), Nilma gosta de lembrar do carinho e reconhecimento dos clientes. Cita uma em especial: “Dona Elza é uma cliente veterana nota 10, show de bola, vem tirar foto com a gente, é sempre muito agradável”.

Quando não está no trabalho, Nilma se diverte… cozinhando para sua família. “Também amo ficar com meu neto, que é a coisa mais gostosa e me traz alegria todo dia, além dos filhos maravilhosos que Deus me deu”, derrete-se.

Sobremesa favorita (dela e dos filhos): torta de banana.

REGINA

Regina é a “caçula”, a mais recente a se juntar ao time. Ela se dedica a manter  o Vegan Vegan sempre limpo. Na cozinha, é responsável pela preparação de molhos e sucos.

Embora seja natural de Reriutaba, cidadezinha do Ceará com 18,9 mil habitantes onde também nasceu o nosso herói da motoca, o Evandro, ela só veio a conhecê-lo no Vegan Vegan.

O Vegan Vegan é a primeira experiência em restaurante da Regina. Antes, trabalhou em um ateliê de costura. Mora com o filho, Caio, de 6 anos, que está no 1º ano do ensino fundamental.

Nas horas de lazer, além de conferir o Facebook, gosta mesmo é de ficar com o seu menino.

Sobremesa favorita: torta mousse de cacau com nozes.

RUBINHO

Quando não está na cozinha ou com a família, Rubinho gosta mesmo é de jogar futebol em algum campinho de Itaguaí, onde vive com a mulher e os 5 filhos: Gisele (22), Juan (17), Helen (9), Ana (1 ano e 2 meses) e Lorenzo (3 meses). Flamenguista, entrou cedo no campo da gastronomia vegana: aos 14, sua mãe o chamou pra ajudar com as entregas (de bicicleta) no Saborearte, no Humaitá. Ele foi e levou junto seu amigo de infância, o também rubro-negro Marcelo. Aos 18, entraram na cozinha e não saíram mais. De lá pra cá, os dois mantêm uma tabelinha afinada, como se Zico e Pet tivessem ido para cozinha colocar seus talentos a serviço da alegria de outra torcida: aquela que ocupa as mesas do Vegan Vegan.

Tendo como “professores” os chefs Thina e Jan, passaram por parte do circuito de restaurantes vegetarianos da cidade: Rio Vegetariano, Vegetariano Social Clube e Vegana Chácara, até inaugurarem o Vegan Vegan.

Nos primeiros 5 anos, ficava mais na cozinha. Depois, passou também a atender o público. Hoje, avalia que essa dupla função é um diferencial a favor. Diz saber o gosto de uns 30% dos frequentadores. “Tem gente que nem pede, só senta e a gente já serve”, se diverte. Nascido em Salvador, Rubinho veio bebê para o Rio.

Sobremesa favorita: tricolor.

MARCELO

Marcelo sempre gostou de esporte. Além do futebol, ama correr, pedalar e malhar. Até que na adolescência somou ao seu repertório uma nova modalidade: cozinhar. A convite do Rubinho, seu vizinho e colega de turma na escola em Senador Camará, Bangu, aos 14 lá estava fazendo entregas de bike para o restaurante Saborearte, no Humaitá (onde a mãe do amigo trabalhava). Aos 18, entrou na cozinha e descobriu sua vocação.

Hoje, como cozinheiro-chefe, executa os cardápios idealizados pela chef Thina, distribuindo as tarefas entre a equipe.

Leonino, Marcelo escolheu a imagem de um leão para sua quinta tatuagem. Lembra que não é o único apreciador de tatoos no Vegan Vegan. Rubinho tem umas duas, garante. Casado, pai da Vitória (19) e da Maria Clara (14), procura resolver as pendências de casa durante a semana para se liberar e curtir bem o sábado e domingo com a família.

Sobremesa favorita: sorvete de gengibre.

ESCRITO POR

Vegan Vegan

Criado em 2004, o Vegan Vegan é mais que um restaurante 100% vegetariano. É também um espaço para debater a alimentação vegana, seus princípios e benefícios para a saúde.