Vegan Vegan

Thina Izidoro e Jan Carvalho

Casal militante do Veganismo e do Movimento Orgânico no Rio de Janeiro , uniram-se a partir de um projeto de alimentação vegetariana orgânica na extinta COONATURA, tendo desenvolvido desde então uma culinária criativa e refinada que rendeu ao longo dos últimos 10 anos uma série de espaços, cursos e eventos, sempre conciliando sabor e qualidade de vida.

Além da CANTHINA da Coonatura, que migrou depois para a Cobal do Humaitá, criaram o VEGETARIANO SOCIAL CLUBE no Leblon ( o 1º vegetariano vegan a La Carte da cidade), plantaram a semente do atual RIO VEGETARIANO e, atualmente, concentram seu trabalho no VEGAN VEGAN ESPAÇO VEGETARIANO em Botafogo.


Thina Izidoro

Começou a se interessar pelo movimento naturalista no final de 78. Fez cursos de culinária macrobiótica com Zanata e Olga (Rio), Bernadete Kikuchi (São Paulo) e, em 1980, no Kushi Institute (Boston-EUA). Desde então vem desenvolvendo um trabalho com restaurantes, ministrando aulas para adultos e crianças.
Ficou durante 15 anos em Petrópolis-RJ, onde fundou o primeiro restaurante macrobiótico vegan, "Rama"; a "Casa da Paz" (que era um espaço que integrava práticas de yoga, meditação, aulas de culinária, grupos de estudos afins, atendimento popular de acupuntura e shiatsu e alimentação vegan); o "Espaço Solar", na década de 90, o "Restaurante da Thina" e o Galpão em Itaipava. Voltou para o Rio de Janeiro em 95 e, em parceria com a Coonatura, criou a Canthina Vegetariana com lanches, onde criou o sushi mineiro, reeditou a trouxinha de ágüe com bifum e outros sanduíches além de um serviço de refeições equilibradas. Começou a partir daí a parceria com Jan Carvalho.
Cursou Nutrição na Universidade Santa Úrsula, no Rio de Janeiro. Concluído o curso em 2000, estudou em seguida Dietética Chinesa. Com a extinção da Coonatura, implantou a Canthina Vegetariana na cobal do Humaitá, onde hoje é o Rio Vegetariano. Em 2001, os dois e mais oito sócios, inauguraram o Vegetariano Social Clube, onde Thina e Jan eram os Chefes de Cozinha e desenvolveram todo o cardápio. Lá, permaneceu como Nutricionista responsável, chefe e sócia até outubro de 2004, quando se desligou.
Hoje, no Vegan Vegan Espaço Vegetariano dá continuidade ao seu trabalho de pesquisa e renovação de conceitos, com a criação de receitas e acompanhamento nutricional das mesmas.
Entre suas criações destacam-se o Bobó de shiitake, o stroganoff de shiimeji feito com melancia, o Rocambole de grão de bico com molho de amêndoas, o cozido de legumes com pirão ao curry, o yakisoba vegetariano, as panquecas com massa de aveia, a salada de cereais, o manjar de côco, a torta de banana com castanha do Pará, o bolo de cacau e o sorvete de gengibre, entre outros. Atualmente, além de trabalhar como nutricionista clínica na área de reeducação alimentar, é professora de dietética chinesa na ASBAMTHO (Associação Sino-Brasileira de Acupuntura, Moxabustão e Terapias Holísticas) no Rio de Janeiro.


Jan Carvalho

Filho de família de cultura gastronômica, participava desde cedo de uma ou outra atividade na cozinha como bolos, biscoitos, pães e aprendeu alguns truques ao observar a mãe, exímia cozinheira da culinária tradicional.
Na passagem dos anos 70 para os 80, a exemplo de muitos de sua geração, travou contato com o "boom" da macrobiótica, trazido a reboque da contracultura no Brasil. Participou de encontros alternativos, eventos, workshops, palestras e começou a fazer sua própria comida.
De formação eclética que inclui segundo grau técnico, faculdade de comunicação social e Escola de Belas Artes, fez cinema, teatro, poesia, artes plásticas, e trabalhou com publicidade e assessoria de imprensa até o meio dos anos 80, quando resolveu iniciar , montando em sua própria casa, um projeto de alimentação vegetariana orgânica que incluia serviço de entrega de refeições equilibradas e encomendas de pães e salgados na zona sul do Rio de Janeiro. A partir daí, desenvolveu seu trabalho no restaurante natural do Largo dos Guimarães, em Santa Teresa, depois foi sócio do Saborearte, no Humaitá, onde criou a "Feijoada Light", absolutamente vegetariana, com caipirinha de gengibre que virou um clássico vegetariano na mídia carioca. Finda a sociedade, voltou aos salgados até o encontro com Thina Izidoro na Canthina da Coonatura, onde retomou o trabalho de criação de receitas buscando resgatar, como alternativa vegetariana, uma "memória" da culinária tradicional. Criou acarajé de forno (abará), vatapá vegetariano, tempeh à portuguesa, tofullette (a omelete vegetariana de tofu), escondidinho vegetariano, moqueca de tempeh, pavê de cupuaçu, mousse de cacau e de morango, sagu de uva, bolo (sem ovos, leite ou manteiga) de castanha do pará, entre outros.